Fogo negro em Faerun

Na fortaleza gélida

Arco 3

Annathar Nephadius Espera todos correrem e se vira contra os Yetis criando uma enorme barreira de fogo, as criaturas começam então a pular por ela, algumas morrem no processo, outras passam machucadas mas ainda correm para longe e então, só então, eles percebem que não estão sendo caçados, os Yetis estão correndo de alguma coisa. Mesmo após a barreira de fogo se extinguir, o lugar continua a derreter, o chão começa a fumegar e uma serpente iluminada e quente aparece embaixo da neve. Todos correm o máximo que podem até saírem do complexo de cavernas que vai sendo engolida pelo mar conforme o chão vai se desfazendo devido ao enorme calor. De dentro do mar, saem 3 Remorhazes ferozes atacando o grupo. Sem terem para onde fugir à tempo, começam a lutar, Stu Bléerg desfere golpes em um deles mas rapidamente é abatido, caindo desmaiado no chão, Breath (Gâsh / Atuan) corre em seu auxílio assim que o vê caído e Futuri (Baranan Raraf) usa seu poder de cura. Caelyn, Annathar e Cliff tentam acertar o Remorhaz maior enquanto Ragna’Kar protege o clérigo durante suas orações.
Durante a luta, um vento muito forte se faz aleatóriamente entre eles, Annathar e Futuri vêem uma figura conhecida como um vulto em meio a ventania, reconhem-no como Shaundakul, o deus menor dos ventos, e começam a se perguntar por que ele está ali, nesse instante, do céu uma outra figura cai com velocidade mas tocando a neve sem força alguma, uma mulher que para por alguns instantes com a mão na testa aparentemente analisando a situação. A luta continua e Breath causa profundos cortes nas duas criaturas menores com seu machado. Stu se levanta e junto com Cliff se afastam percebendo que será difícil derrubá-los. O maior, queimando o Guerreiro e o clérigo apenas com sua presença, desce num ataque voraz levando Ragna’Kar a ficar preso em sua boca, se segurando com seu tridente para não ser engolido. A estranha que caiu do céus e Annathar desferem flechas e raios derrubando a criatura e Ragna’Kar com ele, desacordado. As criaturas menores fogem ao verem a outra vencida e após fugirem do local e correrem forçando seus corpos ao máximo que conseguiam, chegaram finalmente em um local onde se puseram a descansar.

Lá, a estranha se apresentou como Elsa Kethasür, o próprio vento como ela se denominou, uma Genasi do ar que deixou a todos intrigados do porque ela estaria ali e como havia chegado. Perguntas que ela apenas respondeu dizendo que veio com o vento e este a deixou onde deveria estar. A neve caía fina mas abundante o suficiente para gelar o ossos e nublar o horizonte, Ragna’Kar com suas poucas forças, Caelyn e Elsa, se ajudaram para construir um pequeno refúgio da neve onde todos pudessem dormir um pouco.

Restaurados, viram que a neve havia passado, no horizonte, apenas a espinha do mundo onde um enorme esqueleto de um gigante pairava com uma espada trespassada no peito e na montanha, ao lado dele, a entrada para a montanha numa porta de quase 100 metros de altura após uma ponte de ferro também do mesmo porte. Annathar foi na frente, curioso pelo local, não se importando com nada além do que poderia haver lá dentro. Elsa o seguiu afastada sentindo o local, seus sensos alertavam algo de muito perigoso por ali mas ela não avistava nem ouvia nada e foi seguindo o mago com o restante do grupo atrás de si.

Dentro da montanha, se depararam com um salão marcado com sigilos escritos em gigante, uma enorme porta selada pro cristais coloridos e um cajado brilhante no chão. Elsa, fascinada pela porta intrigante pegou o cajado e sentiu que podia controlar o brilho da gema que ele portava, porém nesse instante, os sigilos começaram a criar elementais do gelo gigantescos na sala que se fechou com todos lá dentro. Enquanto todos tentavam sobreviver aos golpes esmagadores dos elementais, Elsa levitando com o cajado solucionava a forma de abrir a porta utilizando a magia embuida em sua gema, levou algum tempo sofrido mas antes que os elementais conseguissem massacrar o grupo, a grande porta se abriu fazendo com que as criaturas desaparecessem.
Do lado de dentro, no centro de uma sala cercada por cristais, uma figura de quase 10m de altura observava a todos. As estruturas da montanha chacoalhavam enquanto um rugido ensurdecedor podia ser ouvido por trás das rochas fazendo metros e metros de fogo lamberem as encostas nevadas pelo lado de fora.

A enorme figura se apresentou como Frull, O guardião dizendo-se o último líder dos clãs dos gigantes, que ofertou sua vida para manter Klauth, o velho rosnado aprisionado. Ele então indica que o grupo trouxe algo que ele necessita para fazer com que isso continue sendo possível, a Esfera dracônica em posse de Annathar Nephadius, enviada pela sua guida pouco tempo atrás. O mago fica instantaneamente cauteloso e com dúvidas do que fazer. Percebe que se aprisionar Klauth, a orbe será perdida por outro lado, como Frull explica, libertar Klauth poderia trazer o fim de Kylledraeth, o fogo negro.

O colar de Ragna’Kar começa a pulsar uma luz prateada e queimar seu peito, fazendo-o lembrar de Hudraer, o dourado, ou Dracon, como o grupo o chama, o dragonborn então resolve tentar chamá-lo e com barulho de passos dentro da caverna, ele aparece explicando à eles que Elsa havia recebido uma profecia antes de chegar ali e que esta profecia significava que apenas quando Klauth fosse libertado, Bahamuth renasceria, pois sua morte pelas mãos do enorme dragão vermelho havia sido mantida em segredo até hoje.
Vendo a confusão toda do grupo, Dracon usa sua magia para levá-los a alguma sala totalmente fechada dentro da montanha, cercada por paredes e teto de pedra e gelo, onde ele explica que este é um ponto onde são eles que terão de decidir pelo destino de Faerun para só então, este poder ser reescrito.

Annathar, enquanto ouve Dracon falando, recebe a visita de um pseudodragão que o avisa telepaticamente que a sua guilda requisita sua presença imediata. Ele então se levanta e diz que retornará assim que possível, sumindo imediatamente. Todos se levantam desconfiando do que ele irá fazer agora e porque ele está indo embora numa hora como essas.

Comments

Vancsek Vancsek

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.